Prazer, eu sou o Danilo!

Prazer, eu sou o Danilo!

Falando da deficiência do meu filho.


amemmmm lindolindo


Eu tinha 34 semanas de vida quando a bolsa uterina da mamãe se rompeu. Nasci de parto normal com fórceps. Pesei 2.400 kg e 47 cm.


Tive ápgar bom , chorei quando cheguei a este mundo! Por ser prematuro, fui para a incubadora, num lugar chamado UTI.


Não conseguia sugar o leite no seio da mamãe e uma fono nos auxiliava. Mamava pouco, dormia muito.Com 3 dias estava em casa.


Continuei com dificuldade para mamar e evacuar. Dormia o tempo todo.Comecei a ficar muito amarelo. Voltei lá para a UTI. Os médicos diagnosticaram-me com icterícia.


Vou explicar para vcs o que é :


" Icterícia é uma condição onde os recém nascidos ficam com a pele amarela, devido ao excesso de bilirrubina no sangue. A bilirrubina é um pigmento normal, gerado pelo metabolismo das células sanguíneas. A criança fica ictérica quando a formação de bilirrubina é maior que a capacidade do fígado de metaboliza-la."


A icterícia aparece no 2 ou 3o. dia de vida. Começa pela cabeça e atinge o corpo todo.Quando é grave ( que foi o meu caso ) ela penetra no cérebro. Ocasiona danos irreversíveis. Os médicos chamam este quadro de KERNICTERUS.


Fiquei 40 dias internado. Fui salvo por um milagre! A neurologista me acompanhava diariamente e falava para os meus pais que eu teria sequelas. Foi sofrido demais !


Viver é a palavra que mais amo! Tenho vida porque quero vida.


Fiquei com deficiência  mental e dificuldades motoras severas, não enxergo nem escuto 100%.


Sou forte, a vida me fez assim!


Gosto de natureza, de caminhar e correr com a mamãe, de ir para a escola, de estar com a família


Sou grato aos terapeutas que me atendem e à todos que cuidam de mim.Dependo deles para tudo!


Pessoas com deficiência vem a este mundo para torna-lo mais humano. Nosso combustível é o amor, a tolerância, a paciência. O que mais precisamos para viver de verdade ?


Danilo, Dandan, anjo meu, filho forte e amado, guerreiro desde sempre!

O segundo filho

O segundo filho

Falando da Isadora.


familiaEscrevo para os pais e mães que tem filhos com deficiência e sentem-se inseguros com a segunda gestação.
Isadora foi planejada em nossos corações e enviada no momento em que DEUS sabia que precisaríamos dela.
MAis que eu e Bira, o Danilo carecia de uma companheira.
Isa age em seu silêncio, cuida com sutileza e argumenta com lucidez. Há poucos meses sua força se fez presente e em nossa ausência ajuda a carregar o irmão .
Ohh vida que emociona!
Isadora nasceu com 38 semanas de gestação! Dois anos depois de Dandan. No início da gravidez descobrimos que meu colo do útero era aberto- tive um sangramento e pensamos q havíamos perdido o bebê. Mas nosso fejaozinho estava firme no útero!! Vida de emoções!

Passei por um procedimento chamado " cerclagem"- o colo do útero é costurado para segurar o bebê. A gestação foi cercada de oração , fé e repouso.
Tudo deu certo!
Isadora nasceu de cesárea, com 3,300 kg e 49 cm.
Encorajo vcs que me lêem a exercitarem a fé ( assim como um dia alguém me incentivou ) e. se tiverem condições clínicas e financeiras .... tenham o segundo filho.
O irmão do especial faz a diferença em nossa vida! É LUZ! É BENÇÃO!

Isadora, nós amamos vc!
Obrigada por existir!

Luta pela Vida

Luta pela Vida

Por Ana Geremias


Toda semana, neste espaço, trazemos dicas e informações importantes sobre o cuidado com nossa saúde e promoção do bem estar, sempre com foco na qualidade de vida. Mas hoje, peço permissão aos meus queridos leitores para tratar de um assunto que, desde sábado, tenho vivido intensamente ao lada da minha irmã, e que já foi, é, e infelizmente será a realidade de muitas mães: conviver com profissionais que, infelizmente, não honram a ética médica e, assim, acabam por levar recentes mães a terem seus bebês prematuros e, desde pequeninos, lutarem pela vida.


Toda mulher sonha em ser mãe um dia, eu sou mãe e posso afirmar, sou muito feliz e agradeço a Deus por esta oportunidade única e especial, cuidar com carinho e orientações da minha eterna pequena. Quando a mãe descobre que está grávida, se prepara para uma nova e maravilhosa fase da vida, com acompanhamentos em cada consulta pré-natal com seu médico ginecologista. Faz todos os exames necessários, tem uma reeducação alimentar, tudo para o bem estar e desenvolvimento do seu bebê que está por nascer. Confiamos nos médicos, mas infelizmente, como em toda profissão, temos profissionais que honram a étic


Na última semana, nasceu o Pedro, meu lindo sobrinho, com apenas 27 semanas de gestação, muito tempo antes das 38 semanas mínimas necessárias para o nascimento em tempo normal. No atendimento emergencial que teve por 2 dias seguidos num hospital, em Campinas, antes do parto pré-maturo, nenhum dos profissionais foi capaz de detectar que estava em trabalho de parto e, assim, evitar o nascimento prematuro e o risco de vida da mãe.


Felizmente, mesmo na madrugada de sexta para sábado, com tantos atropelos e atendimentos questionáveis, retornou de viagem o obstetra da minha irmã, que é um excelente e querido médico. Esse mesmo obstetra fez o parto das minhas irmãs e da minha filha. Com o profissionalismo que tem e o cuidado ímpar e carinho com as mães, esse médico cuidou muito bem da minha irmã no parto prematuro e evitou, assim, riscos inclusive para ela.


Não se trata de lamentar, mas é triste quando passamos por situações como essa, em que profissionais não entendem o valor exato da vida e o compromisso em atender de forma íntegra e responsável. Quantas mães perdem seus filhos em partos mal conduzidos? Mas, felizmente, quantos médicos, como esse, sabem muito bem o entendimento da palavra Amor e como uma Vida merece ser cuidada com carinho, atenção, profissionalismo e dedicação.


Que Deus abençoe todos os Pedros do nosso Brasil e que muitos médicos possam cuidar das nossas vidas, com toda a confiança que depositamos, sob as mãos divinas. E que aqueles que ainda não compreenderam o peso do diploma, bem, poderiam fazer a gentileza de sair pelas portas dos fundos.


 Até a próxima semana! ‪#‎VIVAoPEDRO


Texto publicado no jornal Terceira Visao,


Coluna Semanal  da jornalista Ana Geremias.


foto

SER MÃE

SER MÃE
sermaeé dançar conforme a música
Receber sorrisos
Escutar o silêncio. Intuição!
A maternidade me aproximou de Deus
Eu preciso desta força superior deste ALGUÉM que se faz presente. Ajuda! Conduz!
Eu quis ser mãe. Mas não sabia SER mãe. Eu entendi a MINHA MÃE. E amei-a mais e mais! Eu amo ser mãe!
Mãe presente, que se stressa , que grita qdo preciso , que se orgulha das crias. Que gosta de usar shampoo infantil, que perde a paciência! Sou mãe-humana!
Educar é difícil. Eles precisam de carinho e afagos , misturados com limites, regras e rotina. Como nos! Tem coisas que não mudam, valem pra vida toda!
Conversar é gostoso. Conversa de adolescente de um lado, conversa entre olhares e caretas do outro. Eu te decifro, Danilo. Eu busco te entender, Isadora.
Mãe de dois! Rosa e azul, olhos que me questionam, olhos que falam. Companhia para o açaí( eu e Isa somos viciadas!!) , companhia para as corridas ( eu e Dan não vivemos sem!)
Fazer companhia, ficar juntinho! Dar as mãos.
Eu amo ser mãe! É um desafio? É e sempre será. Num mundo de violência e frieza o amor pede passagem. Carinho cura. Abraço salva. Beijo faz milagres!
Que os nossos filhos nos ensinem a arte da maternidade, que eles tragam Deus para perto de nós, que o mundo que sonhamos comece dentro do nosso lar.
Com mais amor, com menos agressividade, com mais presença.

Ser mãe é um privilégio!