Correndo em grupo.

nois

No último domingo fizemos a Corrida do Oba, organizada pela Noblu Sports. Foram 8 km com largada da Lagoa do Taquaral , seguindo em direção à avenida Norte Sul. Reta no início, subidona na chegada.Ufa!
Esta prova é uma das que mais atrai corredores em Campinas- 3 mil atletas. Acordei atrasada e cheguei em cima da hora. Voamos em direção à largada! As pessoas com deficiência saem 5 minutos antes. Desta forma garantimos nossa segurança e a de quem busca um lugar ao pódium e sai em disparada.
Nos posicionamos em frente ao pelotão- eu, Danilo, Pamela, Drica, Aline, Adolfo, Maria Cristina, Luiz Dallari e Rodriguinho, e largamos todos juntos! Olho para a cadeira de rodas do Danilo e o pneu está murcho ( ou furado )! Em segundos pensei em desistir, encostar, não correr. Continuei caminhando e a cadeira obedecendo, rodinha girando, como se o pneu estivesse normal. Por sorte passaríamos em frente a um posto de gasolina e fizemos um "pit stop".Enchemos o pneu, com rapidez; por sorte não estava furado.É vida que segue!
Danilo e Adolfo correram juntos. O Adolfo tem 45 anos, super alto astral, faz a gente correr com leveza e disposição.Os pais autorizaram que a educadora física Pamela Spanholeto levasse o garotão . Pamela acompanha Adolfo há muitos anos e um elo de confiança se estabelece entre o aluno e a profissional.
Vento no rosto, e eles vão desbravando as ruas de Campinas e emocionando quem vê os jovens ( gostou heim Adolfo?) cadeirantes deliciando-se com a corrida. Adolfo ficou feliz porque dois triatletas voluntariaram-se para empurrá-lo. Velocidade máxima! A corrida sempre nos surpreende! Gestos inesperados, troca de experiência entre pessoas com e sem deficiência Inclusão social é isso!
Eu fiquei para trás nessa corrida. O pneu murcho-furado deixou-me preocupada e não consegui acompanhar o pelotão. Eles terminaram a prova em 49 minutos , eu 56, a Pamela e a Aline ( fizeram 8 km pela primeira vez ) em 1 hora e 5 minutos. Em provas é foco do início ao fim, respiração em parceira com a mente, corpo que pede movimentos certeiros. Mamãe Fernanda abalou-se e chegou depois. Achei bacana um moço que me viu e fez o gesto da cadeira do Dan! Uma amiga passou e perguntou se estava tudo bem. E explicava: Dandan está lá na frente. Realizado, ao lado do amigo Adolfo.
Correr em grupo é bom demais! Contamos com o apoio do Luis Fernando Servin. Domingo ele largou depois que a gente, nos alcançou, sorridente, com fôlego para dar rápidas passadas e tirar fotos. Infelizmente câmera não quis trabalhar o trajeto todo e temos poucas imagens feitas pelo Luis. Mas a animação dele é sempre a mesma! Essencial! Equipe é isso: cada um contribui com o que tem de bom no coração, na alma. São minutos que valem o final-de-semana. O esporte mudou a minha vida!

noisssss

 

Conpartilhe

Postagens Relacionadas

Próximo
« Anterior
Anterior
Próximo »