O menino cadeirante queria correr.

Era uma vez........

caricatura stegun

Um menino chamado Danilo. Não fala e não anda. A mãe conta que ele teve amarelão em estágio grave e avançado e ficou com graves sequelas. A família procurava maneiras de divertí-lo. Ver adolescentes de sua idade jogando bola e correndo pelo campo era motivo de de tristeza. O que fazer ? O que será que ele gosta ?

A irmã mais nova, isadora, sempre gostou de esporte. Joga voley, basquete e futebol com o time da escola. Participa de diversos campeonatos representando a escola. Foi então que a mãe teve uma idéia : vamos correr ?

O pai ficou apreensivo com a coragem da mãe, Ela pesquisou na Internet e encontrou duas mães que corriam com os filhos cadeirantes.Comprou um triciclo adaptado, com rodas grandes atrás e uma menor na frente, específico para o esporte, Que emoção quando chegou!

carictura 2 stegun

E lá foram os dois treinar com uma professora de educação física adaptada. Começaram caminhando, juntinhos, próximo de casa e num parque público chamado Lagoa do Taquaral, conhecido por abrigar a réplica da Caravela Anunciação, de Pedro Álvares Cabral. O vento provocado pelo vai e vem acalmava e alegrava o jovem, A mãe finalmento conseguiu sair mais de casa com o ilho cadeirante, num misto de alegria, superação e aceitação. E, o que era melhor: Danilo gosta de correr! Finalmente descobriram uma atividade para divertir o jovem com deficiência.

As caminhadas tornaram-se cada vez mais frequentes. A mãe voltou a praticar atividade física com regularidade, depois de anos parada e sedentária. Procurou um treinador porque sabia ue precisava de ótimo condicionamento para conduzir o filho. Danilo pesa 45 quilos. Com dedicação e persistência, começou a trotar....e correr devagar.

Esta é uma história que está se iniciando agora e terá continuidade.......
" O menino que queria correr."
texto de Fernanda Terribile
ilustração de Renato Stegun

Conpartilhe

Postagens Relacionadas

Próximo
« Anterior
Anterior
Próximo »

2 comentários

Write comentários
Lucia
23 de novembro de 2015 11:26 delete

Olá Fernanda, moro em São Luis-Ma, sou mãe da Romênia uma moça síndrome de down, adorei sua iniciativa com o seu filho, lamento não ter a mesma oportunidade, Romênia é obesa, nasceu sem o joelho esquerdo, e cadeirante, mas o que a limita para atividades é o autismo, muito desconfiada e trava em tudo que não e conhecido, um abraço em todos!

Reply
avatar
Renata moreira
23 de novembro de 2015 15:08 delete

muito legal a iniciativa da mãe e da família de praticar esporte com o menino e de escrever sobre isto também....para nós que também somos mães de crianças especiais cada relato é uma aprendizagem..
Meu filho tem paralisia cerebral,anda de bicicleta adaptada, anda de skate adaptado, joga bola do jeito dele mas se diverte...bjs

Reply
avatar